Home Atualidade Baião é o primeiro município a nível mundial certificado como Destino Turístico Sustentável
Baião é o primeiro município a nível mundial certificado como Destino Turístico Sustentável

Baião é o primeiro município a nível mundial certificado como Destino Turístico Sustentável

0
0

O concelho de Baião encontra-se a desenvolver um processo de certificação como Destino Turístico Sustentável de acordo com os critérios do Global Sustainable Tourism Council (GSTC), organização que integra diversas entidades mundiais ligadas ao turismo, ao desenvolvimento e ao ambiente, entre as quais vários organismos das Nações Unidas.

Na sequência desse processo, o Presidente da Câmara Municipal de Baião, Paulo Pereira, encontra-se em Angra do Heroísmo, nos Açores, para participar na Conferência Mundial de Turismo Sustentável, e onde acaba de saber da decisão de atribuição do selo de qualidade de Destino Turístico Sustentável a Baião. Esta Conferência, realizada pela primeira vez em Portugal, reúne anualmente decisores, stakeholders e especialistas em turismo, sustentabilidade, desenvolvimento e ambiente, sendo aqui que se divulgam o nome dos territórios que são certificados com aquela importante distinção.

Para obter a certificação de Destino Turístico Sustentável, foi necessário cumprir uma série de critérios, que são avaliados e renovados anualmente num processo de melhoria sistemática. O município de Baião e a Região Autónoma dos Açores, são os primeiros territórios portugueses conhecidos que assumiram o objetivo de proceder à certificação e o conseguiram, sendo que Baião é o primeiro município a nível mundial que recebe a distinção. “Conquistar este certificado é uma mais-valia para o concelho de Baião em termos da nossa estratégia de desenvolvimento e um reconhecimento da qualidade de Baião e do seu potencial enquanto destino turístico que se pretende da mais alta qualidade”, referiu Paulo Pereira.

O processo de certificação do concelho de Baião iniciou-se em março de 2018 tendo sido efetuados levantamentos de indicadores estatísticos e um processo de pré-avaliação das características do território, envolvendo peritos internacionais e responsáveis locais.

De entre os muitos indicadores trabalhados estão áreas como os consumos energéticos, qualidade e racionalização dos consumos de água, reciclagem de resíduos, emissões químicas e ambiência de segurança do destino, entre outros. Estes indicadores são posteriormente comparados com a média global de destinos e cruzados com os destinos com as melhores práticas a nível mundial. Desta forma, Baião destaca-se pela positiva ao nível da “racionalização de água potável”, “poupança de água”, “áreas verdes”, “reciclagem de resíduos”, “emissão de gases de estufa” e na generalidade dos indicadores referentes à “segurança”. Como elementos a serem trabalhados estão os “residuos sólidos enviados para aterro”, “uso de papel amigo do ambiente”, “áreas protegidas” e “percentagem de operadores envolvidos no processo de sustentabilidade”, áreas nas quais o município irá preparar uma estratégia que será atempadamente apresentada junto aos baionenses e todos os parceiros a envolver neste ambicioso processo.

Em análise no processo de auditoria e de levantamento efetuado, estiveram aspetos como o planeamento turístico, o desenvolvimento comunitário, a preservação do património cultural, a conservação e preservação de recursos ambientais, o envolvimento público e privado. “Este é um trajeto longo, complexo e intenso que que se pretende que envolva toda a comunidade, empresas, escolas, associações, operadores turísticos, entre outros. Os critérios são imensos, têm diversas componentes – social, económica, ambiental, legislativa – e é necessário sensibilizar toda a comunidade para a questão”, referiu Paulo Pereira.

Atualmente, encontram-se certificados territórios/destinos turísticos na Islândia, Austrália, Nova Zelândia, México, EUA, entre outros, sendo conhecido que muitos outros destinos solicitaram o início do processo de certificação, estando em fase de pré-avaliação.

Rui Mendes, o técnico que coordena a equipa da autarquia neste projeto, também ele presente na Conferência, refere que “este processo e consequente certificação assenta num compromisso entre a atividade turística como mais-valia económica e o respeito pelo meio ambiente e o carácter autóctone das matrizes identitárias dos territórios”.

Paulo Pereira sublinhou ainda a importância deste projeto para a qualificação do território baionense e apela à participação de todos, “no sentido de, em conjunto, podermos tornar a nossa região mais inovadora, competitiva e sustentável”.

Apesar do trabalho desenvolvido ao longo de meses, só agora foi possível revelar o processo de certificação de Baião, pois tal implica um compromisso de confidencialidade dos diversos momentos de avaliação para que aquela seja o mais fidedigna possível. A entidade responsável pelo acompanhamento do processo de auditoria de Baião é uma Organização Não Governamental (ONG) australiana, a EarthCheck, uma das maiores especialistas mundiais na área do Turismo sustentável. Esta ONG tem capacidade de certificação internacional em matéria de desenvolvimento sustentado, proteção ambiental e boas práticas de gestão na preservação do património cultural e histórico bem como na gestão dos benefícios sociais e económicos para a região, sendo amplamente considerado como o programa de gestão ambiental cientificamente mais rigoroso do mundo, projetado especificamente para a indústria de viagens e turismo.

A designação de Baião como território ambientalmente sustentável foi atribuída mediante a análise que os especialistas internacionais efetuaram do desempenho do município nos diversos indicadores considerados e nos dados presenciais recolhidos, ao longo do último ano e meio, por um auditor suíço, independente ao processo.

A certificação conseguida: “Bronze Certificate”, corresponde à terceira de seis fases – a mais importante até então, pois atribui já um selo de qualidade “provisório” e imprescindível para a passagem à fase seguinte –, seguindo-se um conjunto de ações e cumprimento de recomendações de melhoria, perspetivando-se que em meados de 2020 possa ocorrer uma auditoria final tendente à certificação final.

Este certificado será renovado anualmente mediante a verificação e garantia de todos os parâmetros de qualidade em apreço, numa abordagem de melhoria contínua.